Desculpe, o seu navegador não suporta JavaScript!

Ufopa entrega câmaras frigoríficas para produção de polpas de frutas em Santarém e região


7 de Janeiro de 2019 às 11:24

A ação faz parte do projeto de implementação da fábrica de polpas de frutas na Fazenda Experimental

/media/file/site/procce/imagens/2019/b49871ba5c68f5a750e5a3b9d5eb3c5e.jpg
Capacidade das câmaras de resfriamento e congelamento é de 50 toneladas

Na última sexta-feira (4), a Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa) e a Cooperativa de Produtores Rurais de Santarém (Cooprusan) formalizaram a parceria para beneficiamento de polpas de frutas em Santarém, Belterra e Mojuí dos Campos. Mais de 170 produtores terão acesso às câmaras frigoríficas instaladas na Fazenda Experimental da Ufopa, que permitem o estoque de até 50 toneladas de frutas e polpas durante o período da entressafra.

Resultado do projeto de extensão “Núcleo Tecnológico de Hortifruticultura na Região do Tapajós”, a entrega das câmaras de esfriamento e congelamento representam a primeira etapa de implementação de uma fábrica de beneficiamento de polpas e derivados. A estrutura deverá abrigar também laboratórios de micropropagação de mudas e de análise de qualidade de produtos vegetais. A previsão de conclusão da fábrica é agosto de 2019.

“Estamos querendo, juntamente com os produtores com quem já trabalhamos, implementar um laboratório de análise de alimentos, principalmente da polpa, para que o produto saia daqui com a qualidade garantida”, explica a atual coordenadora Maria Lita Romano, do Instituto de Biodiversidade e Florestas (Ibef).

Iniciado em 2013, o projeto conta com financiamento do Ministério da Integração Nacional e tem como objetivo fomentar a produção e beneficiamento de hortaliças e frutas na região. O Núcleo já atua junto aos agricultores familiares em 12 sítios piloto, promovendo melhoria de técnicas de manejo, através de maquinário, irrigação e adubação.

“A maior conquista dessa parceria para os produtores é que não vai haver mais perda de frutas vinculadas à produção de polpas. […] Para o nosso consumidor, é a segurança de que a Cooperativa vai poder ter estoque de produção o ano todo. Não vai mais haver períodos de não ter determinado produto”, comenta o presidente da Cooprusan Cidinei Nunes. Atualmente, a Cooperativa produz 20 variedades de polpa para abastecer os mercados da região.

Parte da produção também será destinada às escolas municipais. “Os alunos vão ter a certeza de uma merenda escolar adequada que será levada até as escolas com análise de qualidade do produto final”, completa.

/media/file/site/procce/imagens/2019/a09b14c8426fdc578d7e8dbfb567393c_Brs2Ozr.jpg
Da esquerda para direita: Cidinei Nunes, presidente da Coprusan; Nélio Aguiar, prefeito de Santarém;
Hugo Diniz, reitor da Ufopa; Marcos Prado, pró-reitor da Cultura, Comunidade e Extensão; Maria Lita Romano,
coordenadora do NHT

O prefeito de Santarém Nélio Aguiar esteve na cerimônia e destacou: “Esse é um tipo de projeto que é bastante completo porque atende o interesse de todos. Atende o interesse do agricultor familiar, que tem um campo enorme de expansão; […] gera renda para economia dos três municípios da região metropolitana de Santarém; e gera também conhecimento, uma oportunidade de aprendizado para os alunos da Ufopa”.

Para o reitor Hugo Diniz, a iniciativa é um exemplo de “interferência positiva nos arranjos produtivos locais”. “Essa é uma primeira etapa, ainda temos o restante do projeto para executar. E vejo essa importância muito grande porque isso se traduz em espaço de formação para os nossos alunos e emprego e renda para muitas famílias envolvidas no projeto”, afirma.

O pró-reitor da Cultura, Comunidade e Extensão Marcos Prado ressaltou que esse é o resultado de um esforço coletivo e que as próximas etapas de implantação da fábrica estão em andamento. Segundo o pró-reitor, “A proposta é que a fábrica possibilite que seja realizado aqui ensino, pesquisa, extensão e inovação. Os alunos poderão fazer estágios, atividades de pesquisa de toda a cadeia de produção, atividades de extensão a partir de tecnologias que serão geradas. É uma oportunidade de integrar a Universidade à sociedade”.

Procce/Ufopa

7/1/2019